(67) 99999-0000

Arena de Campeões

a celebração dos sonhos e das conquistas

Pessoas não vivem sem SONHOS, sem DESAFIOS e sem CORAGEM. Os sonhos são a certeza de que estamos vivos! São eles que nos motivam a superar nossos desafios em busca das nossas realizações. É o sonho, o desafio e a coragem que nos faz viajar nesta história. Sonhos distintos de uma só estrada que convergem para um objetivo comum. Pessoas simples, mas que quando são desafiadas pelo destino, dobram a aposta. A vida é uma grande arena, onde ora nos deparamos com desafios como se fossem touros bravos, noutras, temos que agarrar cada um desses desafios e domá-los, sem medo, superando cada um deles. Seguindo sempre em frente, em busca do novo, até alcançarmos aquilo que desejamos.

A liberdade de ser uma criança vivendo em um “sem fim de terras”, apenas aumentava os sonhos de um menino em ser um grande peão, domador de montarias. Em seu mundo, uma inimaginável mescla de ingenuidade e bravura, distâncias e muita coragem, onde somente os pequenos que se tornarão grandes possuem. Ele sonhava em deixar seu nome gravado nas histórias desses heróis que desafiam os touros mais temidos da arena. Os mesmos touros que um dia atingiriam a categoria de divindades, respeitadas e cultuadas. Esse era o sonho do menino que fitava o horizonte e se imaginava em grandes competições, aclamado pela multidão, realizando o sonho de ser um grande cowboy. Mais que isso, também sonhava ser o senhor das arenas, o maior de os campeões. O menino não queria apenas montar, queria dominar o mais forte, o mais temido e imprevisível das montarias, o Touro Celebridade. E, por fim, conquistar o coração da Rainha do Rodeio.

Nesse passado infantil onde a inocência desafiava a coragem; sentimentos já povoavam aquele pequeno coração; as longas cercas da fazenda de onde ele nasceu e foi criado, não significavam apenas uma separação de terras, mas também respeito pelo ser humano, pelos animais, pela natureza e pela fé que o levaria a lugares ainda nem imaginados pelo seu coração idealista e sonhador.

Cerca de madeira e cipó delimitavam terras, porém uma cerca muito mais valiosa o cercava; o respeito, a humildade e a determinação herdados de seu pai, o conectavam com seus primeiros anseios. Sendo assim, ele já sentia que do outro lado de suas cercas, estaria algo que só o tempo iria lhe entregar nas mãos.

A beleza e a pureza definiam a personalidade de uma moça enquanto genuína sertaneja. Numa natureza exuberante, onde da colina se avistava uma tríplice fronteira: um campo com tons de verdes únicos penteados ao sabor do vento, um arbusto aqui e outro acolá, um riacho de som adormecedor, flores silvestres miríades e árvores com copas fabulosas. E como em todo sonho tudo é possível, na colina não existem obstáculos para despertar desejos, esperanças, coragem e determinação. Toda essa magia e mistério iriam nortear o sonho de uma menina em se tornar a “Rainha do Rodeio”.

Nessa natureza generosa e exuberante de múltiplos cenários, um olhar chegava até o outro de uma janela de varanda a outra toda enfeitada com brincos-de-princesa. Ali, uma linda e corajosa menina também nasceu e cresceu como filha do dono da fazenda. Mesmo em condição mais abastada, não lhe roubaria a simplicidade, a gentileza e a doçura… Não lhe roubaria nada. A maior beleza era justamente ter seus sonhos fortalecidos ainda que indefinidos.

Próximo ao mesmo cenário, onde só aquela colina tinha visão de alcance, havia uma lenda viva. Um símbolo de força, nobreza, soberania e perfeição genética. Uma criatura com uma beleza descomunal que hipnotizava e impunha respeito a todo par de olhos que passava sobre ele o “Touro Celebridade”. Lá sim, nesse terceiro ponto da tríplice fronteira, repousava a memória de antigos ancestrais, poderosos senhores de engenho e fazendeiros ricos que povoam o imaginário popular.

O tempo passou e o menino sonhador cresceu sempre obstinado a buscar seu valor. Cuidou de animais, domesticou outros. Adquiriu profissões para melhor fazer aquilo que mais amava. Seus sonhos ultrapassavam barreiras e o mundo da fazenda já não lhe bastava. Seu rumo era o rodeio na cidade grande e nada poderia impedi-lo. Ele pensava no legado de sabedoria e sentimentos deixados pelo seu pai (um simples capataz), ele pensava nela do outro lado da janela e pensava, também, no bicho brabo com cara de intocável “O Celebridade”.

Não demorou até que, através de noticiários e dos próprios populares, nosso jovem amadurecido tomasse conhecimento de um rodeio. A oportunidade que ele tanto esperava já estava ao seu alcance, pois na cidade grande tudo era mais palpável. Com experiência adquirida, cabeça no lugar e sonhos intactos, ele finalmente se inscreveu em seu primeiro rodeio. Para surpresa de uma nação, ele assinalou o seu nome entre os grandes da montaria, pois no momento do sorteio, (como se um pudesse escolher o outro), seu primeiro sonho se realizara eminentemente: montar o touro Celebridade.

Ovacionado e de joelhos, ele retirava o chapéu da cabeça em direção ao coração, olhava para o chão, enxugava as lágrimas de emoção, acenava para a multidão e olhava para os céus com os braços abertos e pensava, “eu tudo pude naquele que me fortaleceu”. Não eram apenas os seus sonhos que estavam intactos, a sua fé também e com o sorriso mais largo molhado pelo choro mais emocionado e libertador, ele agradeceu a Deus. O destino insistiu “a vida desafiou, e ele dobrou a aposta”.

Uma lenda foi vencida, “O Celebridade”, e outra lenda surgia com destaque em meio as arenas. Aquele cowboy não só tinha cacife para montar outras vezes no touro mais temido, como também impulso para olhar firme em direção ao seu outro maior anseio. Um afeto guardado naquele passado.

Um andar diferente, com passos mais firmes, roupas com franjas, saia acima do joelho, batom na boca e cheiro de flor. Uma donzela com o perfil decidido desfila pelas ruas da cidade grande. O destino também se encarregou de colocá-la mais perto de seu sonho: A Coroa dos Rodeios. Confiante no seu ímpeto de mulher, segura de sua beleza e dona de si, foi disputar com outras beldades no concurso da mulher mais bonita da arena dos campeões de rodeio. O nervosismo tomava conta e suas pernas tremiam antes do anúncio da vencedora. Seu coração nunca duvidou, ela sabia que o sonho de menina se tornaria sua realidade de mulher.

Sob luzes, aplausos e grande reconhecimento, é coroada uma rainha. A seta do futuro indicava para dois destinos se entrelaçando, a coroa da rainha do rodeio aproximaria esse fato. A bela mulher também tinha um coração com uma semente dentro prestes a ser germinada. Mais uma vez, o destino entra em ação e com generosidade redobrada. Numa única noite, dois olhares se encontram, sem a ingenuidade do passado adolescente, sem cercas separando propriedades, sem a distância entre duas janelas. Aqueles que ontem eram menina e menino tornaram-se Rainha e Cowboy.

Enquanto isso o touro celebridade se tornava uma estrela no mundo dos rodeios. Tamanho sucesso atravessou fronteiras e chegou aos ouvidos internacionais, olhos argutos de investidores astutos estavam voltados para o Touro Celebridade. Poucos touros conseguiram essa façanha. Um bezerro de genética incomum virou um gigante sob os cuidados de um fazendeiro do mundo comercial. O “Celebridade” cresceu saudável, ganhou peso, tornou-se lenda, mas para seu dono, sua imagem era reflexo de cifrões.

Numa manhã insólita uma noticia se espalhava, o Touro Celebridade viveria em solo americano. A lenda partira para nunca mais voltar, deixando um silêncio, um vazio nas arenas de rodeio. Nos corações daqueles que viram de perto a lenda das lendas: Celebridade, o Touro Indomável. Mas aquilo que é definitivo para o destino, pode ser esperança para uma cidade inteira. Quem duvidaria que aquele animal de comportamento bruto e olhar doce jamais retornaria? As coisas vão e vem, as pessoas vão e vem, o Celebridade certamente voltaria para o coração das arenas e para o coração das pessoas.

Longe de suas origens, o “touro Celebridade” sentiu de verdade como era ser uma estrela nas arenas americanas. Rodeado pelos seus novos donos não passava despercebido aos olhos de todos os cowboys, aliás, ninguém conseguia ignorar a majestade e imponência do Celebridade. Obviamente um animal não tem raciocínio, mas tem sentimentos adjuntos aos seus instintos. O “Celebridade” começou a sentir falta de tudo que havia ficado para o Sul das Américas.

Nitidamente entristecido, sem se alimentar adequadamente, começou a transparecer uma fraqueza física, uma tristeza no olhar. Algo estava estranho demais. Um amor guardado no peito do animal transbordou e o gigante se tornou frágil, abalado, sem nenhuma condição de se reerguer.

Após dias tensos de sofrimento e solidão, numa visita de rotina pela sua equipe de cuidadores uma constatação mudaria para sempre o panteão dos temidos touros lendários. O “Celebridade” morrera numa madrugada fria, escura e solitária em terras distantes. A notícia se espalhou rapidamente no centro-oeste Brasileiro. Aquele que foi um divisor de águas na história do rodeio, com sua ausência, o Celebridade fez o Mato Grosso do Sul chorar. Fez o Mato Grosso do Sul sangrar. Um manto enlutando cobre a triplica fronteira.

Um verdadeiro rastro de tristeza toma conta das arenas e de milhares de pessoas. Mas um coração ficou mais consumido pela dor, mágoa e saudade: o da Rainha do Rodeio. A tristeza foi tão grande que a fez cair em sono profundo e inexplicável. Movido pelo amor comum, e um sentimento imensurável pela rainha, o cowboy fez suas preces aos céus para saber como despertar sua amada.

Convicto que o único modo de despertá-la seria através do afago de seu touro encantado. Ele se perguntava como isso seria possível? Mas a força da Fé que os levou ao topo de seus sonhos seria a mesma que traria, num sonho de magia, a aparição milagrosa do Touro Celebridade, que jamais morreu em seus corações. E em uma noite de cantos de Fé, alegria sem par e muita esperança de vida, o Touro Celebridade reaparece para despertar a Rainha do Rodeio. Desta vez, com uma dança inusitada, um balanço diferente, um mugido alegre de amor do animal.

Para selar a celebração do despertar do sono da rainha do rodeio, o touro deu um toque em sua flor de rosa que lhe serviu de casulo durante a estiagem da sua consciência.

Assim aconteceu.

O Celebridade ressurgiu, houve festa ao luar. Uma enorme celebração com a presença de vaqueiros, peões e toureiros, cowboys dançarinos, representantes da beleza feminina do rodeio emolduram o Cowboy e a Rainha que, neste momento, concede sua mão como o maior prêmio que ele poderia receber na vida como apaixonado e como campeão dos rodeios.

Ali, eles dançaram junto com o Celebridade magicamente presente, tendo como apogeu a presença dos outros touros remanescentes. O público inteiro em êxtase retira os seus chapéus em sinal de respeito por estes animais que entregam a sua forca e imponência para os aplausos de uma grandiosa festa. Um pacto de reconhecimento, respeito e de integridade fica para com estes adorados gigantes é estabelecido num pensamento mútuo. Fica decretado que nenhum touro e nenhum animal dali em diante serão maltratados. Este é o maior legado da passagem do furacão Celebridade pela terra. Um legado de amor, fé, esperança e milagres.

A esperança do rodeio se renovou,

Um novo tempo começou um mugido forte entoou. A festa continuou !!! 

“Tem gente que afirma ver e ouvir o celebridade la pelas bandas do Mato Grosso do Sul.”

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2020

Desenvolvido por 2mil Publicidade

Arena de Campeões

a celebração dos sonhos e das conquistas

Pessoas não vivem sem SONHOS, sem DESAFIOS e sem CORAGEM. Os sonhos são a certeza de que estamos vivos! São eles que nos motivam a superar nossos desafios em busca das nossas realizações. É o sonho, o desafio e a coragem que nos faz viajar nesta história. Sonhos distintos de uma só estrada que convergem para um objetivo comum. Pessoas simples, mas que quando são desafiadas pelo destino, dobram a aposta. A vida é uma grande arena, onde ora nos deparamos com desafios como se fossem touros bravos, noutras, temos que agarrar cada um desses desafios e domá-los, sem medo, superando cada um deles. Seguindo sempre em frente, em busca do novo, até alcançarmos aquilo que desejamos.

A liberdade de ser uma criança vivendo em um “sem fim de terras”, apenas aumentava os sonhos de um menino em ser um grande peão, domador de montarias. Em seu mundo, uma inimaginável mescla de ingenuidade e bravura, distâncias e muita coragem, onde somente os pequenos que se tornarão grandes possuem. Ele sonhava em deixar seu nome gravado nas histórias desses heróis que desafiam os touros mais temidos da arena. Os mesmos touros que um dia atingiriam a categoria de divindades, respeitadas e cultuadas. Esse era o sonho do menino que fitava o horizonte e se imaginava em grandes competições, aclamado pela multidão, realizando o sonho de ser um grande cowboy. Mais que isso, também sonhava ser o senhor das arenas, o maior de os campeões. O menino não queria apenas montar, queria dominar o mais forte, o mais temido e imprevisível das montarias, o Touro Celebridade. E, por fim, conquistar o coração da Rainha do Rodeio.

Nesse passado infantil onde a inocência desafiava a coragem; sentimentos já povoavam aquele pequeno coração; as longas cercas da fazenda de onde ele nasceu e foi criado, não significavam apenas uma separação de terras, mas também respeito pelo ser humano, pelos animais, pela natureza e pela fé que o levaria a lugares ainda nem imaginados pelo seu coração idealista e sonhador.

Cerca de madeira e cipó delimitavam terras, porém uma cerca muito mais valiosa o cercava; o respeito, a humildade e a determinação herdados de seu pai, o conectavam com seus primeiros anseios. Sendo assim, ele já sentia que do outro lado de suas cercas, estaria algo que só o tempo iria lhe entregar nas mãos.

A beleza e a pureza definiam a personalidade de uma moça enquanto genuína sertaneja. Numa natureza exuberante, onde da colina se avistava uma tríplice fronteira: um campo com tons de verdes únicos penteados ao sabor do vento, um arbusto aqui e outro acolá, um riacho de som adormecedor, flores silvestres miríades e árvores com copas fabulosas. E como em todo sonho tudo é possível, na colina não existem obstáculos para despertar desejos, esperanças, coragem e determinação. Toda essa magia e mistério iriam nortear o sonho de uma menina em se tornar a “Rainha do Rodeio”.

Nessa natureza generosa e exuberante de múltiplos cenários, um olhar chegava até o outro de uma janela de varanda a outra toda enfeitada com brincos-de-princesa. Ali, uma linda e corajosa menina também nasceu e cresceu como filha do dono da fazenda. Mesmo em condição mais abastada, não lhe roubaria a simplicidade, a gentileza e a doçura… Não lhe roubaria nada. A maior beleza era justamente ter seus sonhos fortalecidos ainda que indefinidos.

Próximo ao mesmo cenário, onde só aquela colina tinha visão de alcance, havia uma lenda viva. Um símbolo de força, nobreza, soberania e perfeição genética. Uma criatura com uma beleza descomunal que hipnotizava e impunha respeito a todo par de olhos que passava sobre ele o “Touro Celebridade”. Lá sim, nesse terceiro ponto da tríplice fronteira, repousava a memória de antigos ancestrais, poderosos senhores de engenho e fazendeiros ricos que povoam o imaginário popular.

O tempo passou e o menino sonhador cresceu sempre obstinado a buscar seu valor. Cuidou de animais, domesticou outros. Adquiriu profissões para melhor fazer aquilo que mais amava. Seus sonhos ultrapassavam barreiras e o mundo da fazenda já não lhe bastava. Seu rumo era o rodeio na cidade grande e nada poderia impedi-lo. Ele pensava no legado de sabedoria e sentimentos deixados pelo seu pai (um simples capataz), ele pensava nela do outro lado da janela e pensava, também, no bicho brabo com cara de intocável “O Celebridade”.

Não demorou até que, através de noticiários e dos próprios populares, nosso jovem amadurecido tomasse conhecimento de um rodeio. A oportunidade que ele tanto esperava já estava ao seu alcance, pois na cidade grande tudo era mais palpável. Com experiência adquirida, cabeça no lugar e sonhos intactos, ele finalmente se inscreveu em seu primeiro rodeio. Para surpresa de uma nação, ele assinalou o seu nome entre os grandes da montaria, pois no momento do sorteio, (como se um pudesse escolher o outro), seu primeiro sonho se realizara eminentemente: montar o touro Celebridade.

Ovacionado e de joelhos, ele retirava o chapéu da cabeça em direção ao coração, olhava para o chão, enxugava as lágrimas de emoção, acenava para a multidão e olhava para os céus com os braços abertos e pensava, “eu tudo pude naquele que me fortaleceu”. Não eram apenas os seus sonhos que estavam intactos, a sua fé também e com o sorriso mais largo molhado pelo choro mais emocionado e libertador, ele agradeceu a Deus. O destino insistiu “a vida desafiou, e ele dobrou a aposta”.

Uma lenda foi vencida, “O Celebridade”, e outra lenda surgia com destaque em meio as arenas. Aquele cowboy não só tinha cacife para montar outras vezes no touro mais temido, como também impulso para olhar firme em direção ao seu outro maior anseio. Um afeto guardado naquele passado.

Um andar diferente, com passos mais firmes, roupas com franjas, saia acima do joelho, batom na boca e cheiro de flor. Uma donzela com o perfil decidido desfila pelas ruas da cidade grande. O destino também se encarregou de colocá-la mais perto de seu sonho: A Coroa dos Rodeios. Confiante no seu ímpeto de mulher, segura de sua beleza e dona de si, foi disputar com outras beldades no concurso da mulher mais bonita da arena dos campeões de rodeio. O nervosismo tomava conta e suas pernas tremiam antes do anúncio da vencedora. Seu coração nunca duvidou, ela sabia que o sonho de menina se tornaria sua realidade de mulher.

Sob luzes, aplausos e grande reconhecimento, é coroada uma rainha. A seta do futuro indicava para dois destinos se entrelaçando, a coroa da rainha do rodeio aproximaria esse fato. A bela mulher também tinha um coração com uma semente dentro prestes a ser germinada. Mais uma vez, o destino entra em ação e com generosidade redobrada. Numa única noite, dois olhares se encontram, sem a ingenuidade do passado adolescente, sem cercas separando propriedades, sem a distância entre duas janelas. Aqueles que ontem eram menina e menino tornaram-se Rainha e Cowboy.

Enquanto isso o touro celebridade se tornava uma estrela no mundo dos rodeios. Tamanho sucesso atravessou fronteiras e chegou aos ouvidos internacionais, olhos argutos de investidores astutos estavam voltados para o Touro Celebridade. Poucos touros conseguiram essa façanha. Um bezerro de genética incomum virou um gigante sob os cuidados de um fazendeiro do mundo comercial. O “Celebridade” cresceu saudável, ganhou peso, tornou-se lenda, mas para seu dono, sua imagem era reflexo de cifrões.

Numa manhã insólita uma noticia se espalhava, o Touro Celebridade viveria em solo americano. A lenda partira para nunca mais voltar, deixando um silêncio, um vazio nas arenas de rodeio. Nos corações daqueles que viram de perto a lenda das lendas: Celebridade, o Touro Indomável. Mas aquilo que é definitivo para o destino, pode ser esperança para uma cidade inteira. Quem duvidaria que aquele animal de comportamento bruto e olhar doce jamais retornaria? As coisas vão e vem, as pessoas vão e vem, o Celebridade certamente voltaria para o coração das arenas e para o coração das pessoas.

Longe de suas origens, o “touro Celebridade” sentiu de verdade como era ser uma estrela nas arenas americanas. Rodeado pelos seus novos donos não passava despercebido aos olhos de todos os cowboys, aliás, ninguém conseguia ignorar a majestade e imponência do Celebridade. Obviamente um animal não tem raciocínio, mas tem sentimentos adjuntos aos seus instintos. O “Celebridade” começou a sentir falta de tudo que havia ficado para o Sul das Américas.

Nitidamente entristecido, sem se alimentar adequadamente, começou a transparecer uma fraqueza física, uma tristeza no olhar. Algo estava estranho demais. Um amor guardado no peito do animal transbordou e o gigante se tornou frágil, abalado, sem nenhuma condição de se reerguer.

Após dias tensos de sofrimento e solidão, numa visita de rotina pela sua equipe de cuidadores uma constatação mudaria para sempre o panteão dos temidos touros lendários. O “Celebridade” morrera numa madrugada fria, escura e solitária em terras distantes. A notícia se espalhou rapidamente no centro-oeste Brasileiro. Aquele que foi um divisor de águas na história do rodeio, com sua ausência, o Celebridade fez o Mato Grosso do Sul chorar. Fez o Mato Grosso do Sul sangrar. Um manto enlutando cobre a triplica fronteira.

Um verdadeiro rastro de tristeza toma conta das arenas e de milhares de pessoas. Mas um coração ficou mais consumido pela dor, mágoa e saudade: o da Rainha do Rodeio. A tristeza foi tão grande que a fez cair em sono profundo e inexplicável. Movido pelo amor comum, e um sentimento imensurável pela rainha, o cowboy fez suas preces aos céus para saber como despertar sua amada.

Convicto que o único modo de despertá-la seria através do afago de seu touro encantado. Ele se perguntava como isso seria possível? Mas a força da Fé que os levou ao topo de seus sonhos seria a mesma que traria, num sonho de magia, a aparição milagrosa do Touro Celebridade, que jamais morreu em seus corações. E em uma noite de cantos de Fé, alegria sem par e muita esperança de vida, o Touro Celebridade reaparece para despertar a Rainha do Rodeio. Desta vez, com uma dança inusitada, um balanço diferente, um mugido alegre de amor do animal.

Para selar a celebração do despertar do sono da rainha do rodeio, o touro deu um toque em sua flor de rosa que lhe serviu de casulo durante a estiagem da sua consciência.

Assim aconteceu.

O Celebridade ressurgiu, houve festa ao luar. Uma enorme celebração com a presença de vaqueiros, peões e toureiros, cowboys dançarinos, representantes da beleza feminina do rodeio emolduram o Cowboy e a Rainha que, neste momento, concede sua mão como o maior prêmio que ele poderia receber na vida como apaixonado e como campeão dos rodeios.

Ali, eles dançaram junto com o Celebridade magicamente presente, tendo como apogeu a presença dos outros touros remanescentes. O público inteiro em êxtase retira os seus chapéus em sinal de respeito por estes animais que entregam a sua forca e imponência para os aplausos de uma grandiosa festa. Um pacto de reconhecimento, respeito e de integridade fica para com estes adorados gigantes é estabelecido num pensamento mútuo. Fica decretado que nenhum touro e nenhum animal dali em diante serão maltratados. Este é o maior legado da passagem do furacão Celebridade pela terra. Um legado de amor, fé, esperança e milagres.

A esperança do rodeio se renovou,

Um novo tempo começou um mugido forte entoou. A festa continuou !!! 

“Tem gente que afirma ver e ouvir o celebridade la pelas bandas do Mato Grosso do Sul.”